. . Mania de Organizar e Viver Saudável: Fevereiro 2017

27/02/2017

Amendoim - gordura saudável

Amendoim torrado e despeliculado, sem sal

Sou fissurada em amendoins (a outra fissura é pelo sorvete, confesso). Esses dois alimentos me fazem sair da linha a qualquer momento, sem parar para pensar nas consequências. Coisa feia, não? Sim, afinal já sou crescidinha para me deixar dominar por essas tentações.

Mas isso é amor antigo! Há anos atrás, no escritório em que trabalhava, várias vezes por semana alguém ia comprar alimentos (nem sempre saudáveis, claro!) sob encomenda. Lembro-me que sempre pedia amendoim japonês.
Com o passar dos anos, descobri que a casquinha que cobre os amendoins salgados não são muito saudáveis e a opção foi mudar para o amendoim pralinê, aquele todo envolvido no açúcar. Hum! Foram anos consumindo essa delícia (sou formiga e gosto de tudo que tem açúcar, tudo bem melado), mas precisei me conter para manter a saúde. O açúcar é vilão também.
A alternativa então, foi comer o amendoim natural, só torrado, sem pele e sem sal. Meu marido trazia o pacote de 1 kg (comprava a caminho do trabalho) e comíamos um pouco todos os dias. Um dia, ao conversar com uma professora nutricionista a respeito, ela me aconselhou a rever esse hábito. O fato é que, quem quer emagrecer não pode comer muito, apesar de conter gordura boa.
Surgiu então a ideia de consumir a pasta de amendoim, sem sal ou açúcar, limitada a uma colher de sopa por dia. O conselho é que apesar de fazer bem, não se deve extrapolar no consumo de calorias.

Pasta de amendoim pura e pasta de amendoim com macadâmia - deliciosas.

Preparo nossa pasta de amendoim em casa, no processador. Geralmente só uso o amendoim mesmo, mas já fiz a pasta misturada com macadâmia e gostei do resultado. Ainda quero experimentar outras misturas: com nozes, com castanhas, com cacau, etc. A economia é considerável em relação às compradas prontas.
Por causa da questão de segurança alimentar, só compro marca que possui o selo Pró-Amendoim*, que comprova ausência de fungos. Pois é, eles podem conter fungos e causar problemas sérios de saúde.
Gosto tanto de amendoim que já pensei em abrir um negócio com isso. Será que daria certo? Creio que sim e pode ser que um dia se materialize esse desejo. Preciso fazer ainda pesquisa de mercado, plano de negócios, etc.

Sobre a história, alguns especialistas acreditam que a leguminosa foi descoberta no Brasil ou tenha surgido na região do Gran Chaco, localizada entre o Paraguai, norte da Argentina e Peru. Porém, há documentos de 3.800 a.C. a 2.900 a.C., que afirmam que a semente surgiu ao leste dos Andes, onde era muito utilizada pelos indígenas.
Se quiser, leia a história completa aqui.

Informações a serem consideradas:
·     Possui gorduras monoinsaturadas que podem diminuir o colesterol;
·     Pode causar alergia, mas no Brasil isso é raro de acontecer por causa da miscigenação;
·     Para os homens, auxilia a evitar a impotência sexual;
·     Pode ser contaminado por fungos que podem causar hepatite do tipo B, sérios danos ao sistema nervoso e o câncer primário do fígado.


Amendoim... Amendoim...
Amendoim, amendoim, amendoim...

Lembro do desenho Pato Donald em O Esquilo Voador. Ele cantava essa canção. De vez em quando eu canto também, quando quero consumi-lo (risos). Não consegui o vídeo do desenho com uma qualidade melhor (uma pena!), mas dá para assistir.





Que alimento traz lembranças a você e ainda hoje você consome?
Conta nos comentários. Um abraço virtual!




* O Pró-Amendoim criou um rigoroso programa para garantir que as empresas certificadas com o Selo de Qualidade produzam e comercializem produtos à base de amendoim dentro dos padrões da legislação brasileira.



Esse texto é composto por minhas opiniões pessoais, baseadas em experiência de vida e um certo aprendizado na área como Técnica em Nutrição e Dietética. Para tirar dúvidas sobre alimentação ou dietas, procure um nutricionista.

26/02/2017

O café nosso de todo dia

Café da manhã em família, é tudo de bom. O café dá energia para começar o dia e aquece as manhãs junto aos que amamos. Além disso, anima amigos reunidos no mundo todo, todos os dias.
Gosto muito de café e aprendi a tomar desde criança com leite no café da manhã. Na adolescência, em meu local de trabalho, aprendi a tomar cafezinho ao longo do dia e isso virou um vício. Era uma forma de levantar da cadeira e dar uma pausa.
De uns anos para cá, passei a apreciar junto às minhas amigas e de vez em quando saímos para tomar um café. Na verdade, o convite para tomar um café é só um pretexto para um longo bate papo, colocar os assuntos em dia. 
Mas como tive um problema sério de gastrite e refluxo, precisei parar de tomar café. Foi um período muito difícil, porque sentia falta. Acabei me adaptando com o sabor do café descafeinado, que é bem diferente, mas o cheirinho me satisfazia. Me acostumei com o sabor. Dizem que na verdade o aroma do café é que é gostoso e a gente sente vontade de degustar. Não sei se isso é realmente verdade.  


Tenho uma cafeteira tipo italiana que compramos no Brasil, há muito tempo. A primeira vez que vi esse tipo de cafeteira, foi em 1990 na Espanha. Fiquei muito interessada em adquirir uma, mas as que vimos eram pequenas e caras, então, decidimos não comprar.


Um tempo depois, surgiu a oportunidade de comprar por aqui. Pode-se dizer que é uma chaleira à base de vapor que faz café expresso. Ela produz um café quase tão forte quanto as máquinas de café expresso normais de uma forma mais econômica. Coloco água na parte de baixo, e pó no meio (a parte de cima fica vazia). Quando a água começa a ferver, sobe passando pelo pó e na parte de cima o café vai ficando pronto.
  
Colaborei com uma pesquisa sobre o café para uma apresentação no curso que terminei recentemente e o assunto é bem interessante.

Sobre a história dessa bebida (que também é chamada de infuso), não há evidência real sobre a descoberta, mas há muitas lendas que relatam sua possível origem. Se quiser conhecer sobre as lendas, veja aqui.

Ovo mexido com chia, acompanhado de café puro

Quanto à preparação da bebida, consiste na extração do sabor e aroma do café torrado e moído através de água quente.
·        A água deve estar numa temperatura entre 90° e 100°C (não deixe a água ferver).
·        Preparar somente a quantidade da bebida que vai ser consumida imediatamente ou no máximo durante a hora seguinte.
·        Usar medida, não adivinhar! Utilizar de 70 a 100g de pó para cada litro d'água (uma colher de sopa cheia equivale aproximadamente 12 gramas, então utilizar de 6 a 8 colheres de sopa cheia). Não compactar, nem apertar a camada de pó de café.
·        Nunca reutilizar o pó de café, nunca preparar a bebida em recipientes sujos ou sobre bebida velha e nunca deixar ferver o café nem o submetê-lo a mudanças bruscas de temperatura. Tampouco armazenar por longo período de tempo, mesmo em garrafas térmicas.
·        O ideal é mantê-lo a temperatura constante entre 75°C e 85°C (aqueça em banho-maria).

·        Nunca preparar ou armazenar a bebida já adoçada porque se formará uma crosta de caramelo nas paredes da garrafa ou bule, causando um mau gosto ao café.

O site da Associação Brasileira da Indústria de Café (ABIC) que consultei, traz informações mais aprofundadas a respeito do café (veja aqui).

Indicações: serve para ajudar no tratamento de asma, diabetes, bronquite, cansaço, febre, vertigem, pneumonia e dores de cabeça. Além disso, ajuda a proteger o coração e a prevenir o câncer de próstata. Estudos sugerem que também previne patologias graves como o Mal de Parkinson e o Alzheimer.
O café contém também substâncias antioxidantes, que contribuem para eliminar os radicais livres, defendendo o sistema imunológico. 

Contraindicações: para pacientes com gastrite, úlcera péptica, insônia, agitação, taquicardia ou taquiarritmias.

Se quiser saber mais sobre as propriedades do café, clique aqui.



24/02/2017

Praia, bicicleta e patins - gratidão

Sempre morei em Santos e em minha fase de adolescência, por volta dos 15 aos 18 anos, três coisas me divertiram muito: praia, bicicleta e patins.

Pôr do sol santista

Gosto de caminhar à beira-mar e atualmente faço isso algumas vezes por semana, além de ter iniciado a prática da corrida também. Prefiro caminhar mais durante o período da manhã, mas às vezes em outros horários em que o sol não esteja forte, é possível.  Recentemente fomos caminhar num final de tarde e assistimos ao pôr do sol, espetáculo maravilhoso de se ver. Em outro dia, fizemos uma corrida de meia hora (ainda somos iniciantes) no início da noite. Passeios e prática de atividade física ao ar livre são muito saudáveis e também muito comuns por aqui.

Considero a praia de minha cidade, linda. Ela é o principal cartão-postal, principalmente na primavera quando seus jardins, que formam o maior jardim frontal de praia em extensão do mundo de acordo com o Guinness Book (Livro dos Recordes), florescem. A extensão do Jardim da Orla de Santos, é de 5.335 metros e a largura em torno de 45 a 50 metros. O departamento de meio ambiente da região, é responsável pela preservação e o cuidado com a flora do ambiente praiano santista, que possui muitas palmeiras e amendoeiras. Ainda tem uma ótima ciclovia e quiosques com alimentação na orla inteira.
Não posso deixar de citar que a beleza não está na cidade toda, porque tem uma parte feia e suja que é meio abandonada. Tem palafitas e algumas vezes a falta de balneabilidade das praias de Santos é por causa da maré que traz dejetos dessas moradias.

Moramos bem próximo à praia. Não que ela seja o nosso quintal (algumas pessoas até conquistaram esse privilégio e moram com o pé na areia), mas uns 8 minutos de caminhada já nos faz alcançá-la. Nunca foi nosso objetivo morar tão perto dela, mas entendo que esse foi um presente que Deus nos deu, do qual hoje podemos desfrutar bastante.

Caminhada noturna à beira-mar

Em minha adolescência, ia à praia com minhas amigas e caminhávamos muito à beira mar. Íamos cedo, voltávamos para casa para almoçar e retornávamos no final da tarde. Naquela época, não nos preocupávamos com câncer de pele e usávamos inclusive alguns potencializadores de bronzeado, como bronzeadores com semente de urucum (veja aqui) e até óleo de avião (nunca usei), dentre outros. Hoje tomo muito cuidado com minha pele e não saio sem protetor solar.

Minha bicicleta era usada tanto para o lazer quanto para o trabalho. Só aprendi a pedalar aos 15 anos quando comprei uma para mim. O nome dela era Princesa, modelo da Monark e eu simplesmente a a-ma-va! Ela era bem parecida com essa da foto que consegui na internet. Cuidava dela com muito carinho. Pedalávamos em Santos e Guarujá em grupo de três a quatro amigas e às vezes aconteciam alguns dissabores no trajeto. Uma certa vez, estávamos passeando na avenida da praia de Santos (naquela época não existia ainda a ciclovia) e ao passar ao lado de um carro, um dos passageiros (estava bêbado) abriu a porta em cima de mim, me derrubando. Minha sorte é que não estava vindo nenhum veículo atrás de mim naquele momento e não bati a cabeça, tendo somente uma luxação em um dos braços. A outra experiência difícil foi quando furou o pneu da bicicleta de uma delas e tivemos que voltar do Guarujá a pé. Nem sei quantos quilômetros andamos debaixo de um sol escaldante. Hoje, quando lembramos de tudo isso, damos muitas risadas. Eu e algumas amigas também íamos ao local de trabalho de bicicleta algumas vezes. 

PRINCESA (Monark)

Quanto aos patins, havia chegado a "febre" aqui em Santos, era início dos anos 80. Acho que eu devia ter uns 17/18 anos. Tínhamos algumas pistas pela cidade, pagávamos uma taxa e ficávamos horas nos divertindo. Gostei tanto que resolvi fazer patinação artística. Pratiquei por um tempo e depois a rotina de trabalho e estudos não me permitiu continuar. Mas até hoje ainda tenho o desejo de patinar. Certa vez tive uma queda fazendo uma evolução e dessa vez a luxação foi no outro braço.
Patins de verdade, para mim, é aquele clássico, com quatro rodas e um freio na frente (igual ao da imagem abaixo). A gente colocava capinha para proteger e não estragar a bota. Amava meus patins e cuidava muito bem dos rolamentos.  Ai, que delícia relembrar! Patinei no gelo em um shopping no Rio de Janeiro há alguns anos e foi muito bom também. Esses patins in line, são difíceis de usar (já tentei, mas não consegui ir muito longe). 


Posso dizer que até hoje colho dividendos em saúde desse período em que a atividade física fazia parte da minha vida naturalmente. Foi nessa época que também descobri a ginástica e iniciei em academias, culminando depois na escolha de minha graduação. Mas, esse assunto será descrito com detalhes em outra postagem.

Sou grata por ter nascido e sempre morar nessa linda cidade, apesar de ter me casado com um carioca. Ainda bem que decidimos morar aqui. Optamos por ter qualidade de vida.


Este post participa da Blogagem Coletiva Semanal #52semanasdegratidão de Elaine Gaspareto, cujo objetivo é valorizar e compartilhar nossas pequenas e grandes alegrias... nossas vivências e aprendizados.



23/02/2017

Organizando as malas - sapatos

Quando arrumamos as malas para viajar, sempre temos que reservar um espaço para os calçados. Mas, de que forma podemos transportá-los? Normalmente quando fazemos isso por aqui, se vamos viajar em família, separamos uma bolsa exclusiva para eles. Organizamos, utilizando sacolinhas dessas de supermercados para separar os pares. Outra forma com a qual organizo quando viajo sozinha, é colocá-los dentro de sacos de TNT (tecido não tecido) e guardar na mala junto com as roupas. Possuo alguns saquinhos com visor de plástico e a vantagem é poder visualizar os pares, tirando somente o que for usar com mais facilidade. Mas, saquinhos de TNT sem visor, também funcionam muito bem.


Saquinhos para levar na mala

Sempre que viajo, levo um par de chinelos, um par de tênis para caminhada/corrida, uma sandália rasteirinha, e um par de sapatilhas. Se tiver uma festa envolvida na viagem, levo também um par de sandálias com salto alto ou um sapato tipo scarpin. Entendo que não é necessário levar a coleção inteira. Apesar de ser mulher, não tenho fissura por sapatos.

Tenho uma amiga, E.P. que tem uma coleção enorme. Na verdade, ela possui mais de 200 pares. Como pode, você diria (ou não diria)? Ela é uma advogada muito esforçada e só gasta seu suado dinheirinho naquilo que lhe dá prazer. Uns gastam com eletrônicos (aqui em casa, já gastamos muito), outros gastam com viagens e outros em restaurantes caros, mas ela gasta com sapatos. Às vezes, quando gosta muito de um modelo, compra mais de um, variando as cores. Pode isso? Pode! Gosto é gosto e devemos respeitar! Organiza sua coleção (usou o termo "meus sapatinhos") de algumas maneiras: em saquinhos de TNT uns sobre os outros (reconhece que não é o ideal), nas prateleiras de um armário e sob a cama em sapateiras de plástico transparente com zíper (tem umas quatro dessa). Me disse que ainda quer organizar melhor os pares de botas, colocando um pedaço de espaguete (desses flutuadores usados em piscina), para manter o formato do cano.
Citou ainda que começa a se vestir sempre pelo calçado e que essa escolha define muito seu estado de espírito. O sapato, muitas vezes lhe dá um certo "empoderamento". É mesmo muito chic e poderosa essa mulher. Quem a conhece, que o diga.



Não é a melhor forma de organizar

Em prateleiras - mais fácil de visualizar

Sapateiras de plástico com zíper

Acho que eu não tenho nem 10% dessa quantidade (risos). Guardo a maioria dos meus nas caixas originais em uma sapateira que serve para organizar outras coisas da família e o restante numa sapateira que fica pendurada dentro do meu armário de roupas (não tirei foto porque estou fora de casa, viajando).

Mas, como conservar uma coleção ou mesmo os que usamos no nosso dia a dia? Encontrei um vídeo do Blog Organize Sem Frescuras, que demonstra bem o que deve ser feito (veja abaixo). 





A apresentadora do vídeo fala sobre o odor e a contaminação que os sapatos trazem para dentro de nossas casas e armários. Limpar e deixar arejando para então guardar é a dica, até para que o tempo de vida útil seja aumentado.

Em casa, adquirimos o hábito de tirar o sapato quando chegamos da rua e colocamos o chinelo para transitar pelos cômodos. Conseguimos assim manter nosso piso mais limpo. Faz muita diferença.

Espero que as dicas tenham sido úteis.


21/02/2017

Uma laranja podre pode estragar uma cesta inteira


Imagem free FoodiesFeed : Jakub Kapusnak

Esse é um dito popular, e normalmente essa frase é usada como conselho dos pais para os filhos para não se envolverem com pessoas de má índole. Mas isso pode acontecer no sentido literal.
Há um tempo atrás, estudei um pouco sobre frutas e aprendi várias coisas muito interessantes a respeito delas.
Quando as frutas estão amadurecendo, exalam o gás etileno, e por isso as que estão ao redor também amadurecem ou até estragam. Portanto, realmente, uma laranja podre pode estragar uma cesta inteira.


"Chama-se fruta, a parte polposa que rodeia a semente das plantas. Possui aroma característico, é rica em suco, normalmente de sabor doce, e pode na maioria das vezes, ser consumida crua."


Além de saber da existência de frutas frescas e secas, sempre entendi que frutas contém vitaminas, por isso considerava necessário consumi-las e ponto. No entanto, elas trazem em si muito mais que vitaminas, pois podem conter também: fibras, gordura, proteína, açúcares (carboidratos - glicose, frutose, sacarose e amido), água, ácidos orgânicos, etc.
Fibras insolúveis  - não são absorvidas - estão nas cascas e bagaços - deve-se beber muito líquido.
Fibras solúveis - também não são absorvidas, mas diminui a absorção de açúcares - estão nas polpas.

Mas, além das qualidades nutricionais, o consumo regular está também associado à redução do risco de câncer, de doenças cardiovasculares, do Mal de Alzheimer, de cataratas e de alguns declínios relativos ao envelhecimento.

Em termos de maturação (amadurecimento) veja como são classificadas:
- Frutas Climatéricas - continuam amadurecendo mesmo depois de colhidas;
- Frutas Não-Climatéricas - não amadurecem mais, após serem colhidas.

Dê preferência às frutas da época, porque o valor é bem menor e conserve em local seco, fresco e ventilado. Algumas frutas devem ser conservadas refrigeradas ou em câmara frigorífica. Higienize corretamente: lave em água corrente, coloque em solução clorada e enxague muito bem para então ser consumida. Se não for realizado enxágue correto, o consumo pode causar irritação gástrica.
Dependendo da forma de preparação escolhida, no pré-preparo pode haver perdas que devem ser consideradas, como por exemplo, na salada de frutas. Algumas frutas apresentam grande porcentagem de desperdício, porque possuem a casca grossa e caroços grandes em tamanho ou número (ex.: melancia - 50% de perda em relação ao peso inicial).

Se quiser saber mais um pouco sobre frutas, veja aqui as características de cada uma.


Texto de conteúdo apreendido no curso de Técnico em Nutrição e Dietética. Para tirar dúvidas sobre alimentação ou dietas, procure sempre um nutricionista.


19/02/2017

O Blog e a blogueira

Sobre o Blog

Ele é como uma terapia. Sou uma mulher de fases (complicada e tento ser perfeitinha) e ele foi iniciado quando saí de um trabalho que amava, onde fiquei por quase oito anos. Meu local de trabalho era em uma escola cujas atividades foram encerradas no final de 2009. Para superar a fase de luto, comecei então a escrever.
Criei o Blog em setembro de 2010 e se chamava Mania de Organizar. Sempre gostei de escrever e quando era nova, bem mais nova (adolescência), tive alguns diários. Guardei por um tempo e depois acabei jogando fora. Uma pena, pois teria muita história com detalhes para contar.
Também na adolescência ainda, me correspondia por carta com algumas pessoas cujo endereço pegava nas páginas finais de algumas revistas. Fiz amizades assim naquela época.
Por conta da rotina quando assumi um outro trabalho, estive ausente da blogosfera por um bom tempo, e em 2016 resolvi voltar pelo estímulo de escrever sobre coisas que estava aprendendo no curso de Técnico em Nutrição e Dietética.
No início de 2017 comecei a escrever com mais frequência, mais sobre vida saudável do que sobre organização e resolvi alterar o nome para Mania de Organizar e Viver Saudável.


Sobre a blogueira

A autovalorização é o reconhecimento que uma pessoa tem de suas próprias qualidades ou do seu próprio valor. Quando era mais nova, tinha uma tendência a me desvalorizar porque minha autoestima era muito baixa. Reconheço que tenho defeitos e manias (quem não tem?), mas com o tempo, minha autoestima melhorou um pouco e hoje consigo enxergar minhas qualidades.



  • Sou organizada (ou tento ser) e já contei aqui no Blog sobre isso.
  • Sou uma pessoa naturalmente feliz. Mas, nem sempre foi assim... já tive depressão.
  • Já chorei muito na minha vida. Hoje sorrio mais.
  • Gosto de agradar as pessoas que amo e que me amam.
  • Sou inteligente. Se me interesso, aprendo fácil.
  • Sou sincera e assertiva quanto às minhas escolhas. Se gosto, digo que gosto, se não gosto, digo que não gosto, mas tento ser educada.
  • Já fui muito explosiva, atualmente sou mais dócil.
  • Sou fiel aos meus princípios. Não me envolvo com coisas erradas, tipo corrupção. Se vier um troco a mais, devolvo. Se me cobram a menos ou a mais, pergunto o porquê.
  • Canto bem. Já cantei até em casamentos.
  • Gosto de conversar com pessoas bem-humoradas. Absorvo o bom humor com facilidade.
  • Gosto de aprender. Me sinto viva quando aprendo algo novo.
  • Gosto de ensinar. Me sinto útil quando ensino algo para alguém que se interessa.
  • Sei digitar sem olhar para o teclado. Aprendi isso ainda no curso de datilografia (faz tempo! rsrs)
  • Coloco em prática alguns conselhos depois de analisar e ver se são bons.
  • Sou transparente. Se não gostar de algo, logo quem está ao redor percebe.
  • Sou procrastinadora em alguns momentos, mas agora já me dou esse direito. Como diz minha sogra: sou minha própria patroa.
  • Odeio falsidade.
  • Tenho sorriso outdoor (meu marido me diz isso). Se estou feliz, não consigo me conter.










17/02/2017

Quer casar comigo?


–  Quer casar comigo? –  disse ele sem hesitar.
– Acho que não! – respondeu ela – assim, tão rápido?
– Por que não? Já temos certeza do que queremos. 

agradecer a Deus por ele:
***

Essa foi uma parte do diálogo que tiveram no segundo dia de namoro, quando estavam numa pizzaria. Se fosse hoje, talvez ele fizesse um pedido um pouco diferente, quem sabe usando alguns recursos tecnológicos. Mas, isso aconteceu há mais de 27 anos atrás.
Ela tinha 25 anos e ele, 26. Já sabiam mesmo o que queriam? Sim, com certeza! A fé em Deus confirmara isso em seus corações e um pouco do que tinham vivido já ensinara ambos a escolherem melhor os passos a serem dados.
Ela tivera medo e desprezo por esse passo anos atrás, quando presenciava as brigas entre seu pai e sua mãe. Casar para quê - pensava ela anos antes – para viver num inferno? Até que aos 20 anos, conheceu pessoas que tinham um casamento baseado no amor e respeito. E claro, desejou ter aquilo também. Quem não quer ser feliz?
Tinham sido apresentados no ano de 1985, porém nunca pararam para conversar de verdade, somente cumprimentos à distância e nada mais. Mas a figura dela o agradava, lhe era simpática. Em primeiro de abril de 1989, finalmente seus olhares se cruzaram e ele a “enxergou” de verdade. Plano divino para a vida de uma garota que não acreditara no casamento, mas que naquele momento sonhava em viver um grande amor, ser querida e respeitada por alguém que a quisesse para a vida inteira, não somente por alguns instantes.
Mas, por que casar assim tão rápido? Por causa da profissão dele, não seria possível estarem juntos para se conhecerem de verdade presencialmente por mais nove meses até que ele voltasse de viagem, pois era marítimo e fazia longas viagens ao Japão naquela época. A forma de estarem juntos e se conhecerem melhor era mesmo casando e estando com ela em qualquer lugar do mundo sempre que fosse possível. Esse foi o principal motivo do pedido. Mas também porque não eram mais crianças e sabiam o que queriam.
Casaram-se dois meses e meio depois. Se foi chocante a decisão de casar assim, rápido? Claro que sim! As pessoas que viviam ao redor tiveram dois tipos de reação: algumas ficaram muito felizes e empolgadas com a ideia e outras ficaram chocadas e preocupadas. Teve gente que imaginou que ela estivesse grávida. Teve gente que achou que ela estivesse desesperada para casar, mas não estava, achava até que nunca fosse acontecer e estava meio conformada com essa ideia, afinal, fazia cinco anos que não namorava ninguém.
Casaram-se e foram namorar, descobrir as preferências um do outro, as atitudes em relação à vida, o jeito de ser frente às dificuldades, enfim, se conhecer de verdade. Há casais que namoram por anos e não ficam muito tempo casados.
Casaram-se e a casa tinha o quarto completo, fogão, geladeira e uma mesa na cozinha – o básico necessário para iniciar uma vida a dois, mas já tinham muito amor um pelo outro. Com o tempo, foram juntos adquirindo a mobília para os demais cômodos da casa e o legal nisso, é que já sabiam um pouquinho do que o outro gostava.
Casaram-se e estão juntos há mais de 27 anos. Apostaram na felicidade, sentiram-se no direito de serem amados, optaram por trilharem juntos a vida a dois, acreditando no amor e na cumplicidade. A maioria das decisões que tomaram ao longo desse tempo, foram em conjunto (exemplo: quanto a comprar algo para casa). Impossível andar juntos se não houver acordo, isso é bíblico.
Casaram-se e a paixão dos primeiros tempos foi transformada em amor. Construíram uma família pequena por escolha de ambos. É óbvio que enfrentaram muitos problemas durante essa jornada, mas completam-se e nos momentos mais difíceis se unem para dar a volta por cima.




Essa é minha história de vida junto ao meu marido. Com ele aprendi a amar de verdade e a me entregar de corpo e alma à nossa relação.

Minha gratidão é pela vida e pelas escolhas que fiz ao longo dela.
Gratidão também pelo amor que recebo e retribuo.




Este post participa da Blogagem Coletiva Semanal #52semanasdegratidão de Elaine Gaspareto, cujo objetivo é valorizar e compartilhar nossas pequenas e grandes alegrias... nossas vivências e aprendizados.





*** O casal Amar é… foi inventado por Kim Grove Casali. A criação veio com bilhetinhos amorosos que enviava para seu futuro esposo Roberto Casali na década de 60. A partir daí, as figuras ganharam fama no jornal Los Angeles Time. Até hoje, pode ser encontrado em bancas, editores e na internet.

15/02/2017

Mamão e suas sementes

Mamão papaia

Hoje resolvi escrever sobre uma das frutas que tem um lugar especial em nossa casa, o mamão papaia.

Assumi parcialmente uma mudança de hábitos em relação a minha alimentação quando soube que estava grávida, no final do ano de 1995. Parcialmente, porque a RA só chegou em minha casa no ano 2000 como já citei aqui.
Ainda a caminho de casa, ao voltar do laboratório onde havia recebido a confirmação do exame, já fui decidindo o que seria cortado da minha dieta e o que teria prioridade a partir daquele momento. Logo que casamos, naquela empolgação em fazer compras para nossa casa (é uma alegria imensa poder decidir o que para seu próprio lar), eu e meu marido íamos ao Makro e trazíamos um balde enorme de maionese, um pacote grande de linguiças, um pacote enorme de salsichas, peça de queijo e de presunto, 10 kg de açúcar e muitas outras coisas em grande quantidade. A partir do momento que soube que seríamos pais, nunca mais cometemos esse crime. A pouca fritura que fazia, deixei de fazer também. Passamos a comer frutas, um pouco mais de legumes e salada (embora para nós, uma folha de alface já fosse considerado como salada naquela época, hoje sabemos que não é bem assim). Passei a consumir água de coco e mamão todos os dias. Não ganhei mais que 9 kg no período gestacional.
Mas, sobre essa fruta, é uma das melhores para se consumir diariamente, principalmente quando se deseja emagrecer, pois fornece pouco mais de 40 kcal a cada 100g. Tem uma cavidade central preenchida com sementes negras e rugosas, envolvidas por uma espécie de película transparente. Normalmente é consumida in natura, em saladas e sucos.
Originalmente do sul do México e países vizinhos, é atualmente cultivado na maioria dos países tropicais e nos Estados Unidos. O mamoeiro produz fruto o ano todo, porém, no Brasil, a safra geralmente ocorre nos meses de maio, junho, agosto e outubro. Existem diversas variedades de mamão e as mais conhecidas no Brasil são: mamão papaia, mamão formosa (um pouco maior e geralmente usado para fazer doces), mamão-da-baía, mamão-macho e mamão-da-índia.
O consumo do mamão é recomendado pelos nutricionistas por se constituir em um alimento rico em licopeno (agente de combate ao câncer e antioxidante), vitamina C, uma quantidade moderada de folato* (ajuda o corpo a fabricar células novas saudáveis) e minerais importantes para o organismo. Quanto mais maduro, maior a concentração desses nutrientes. Entenda que o antioxidante no corpo, protege as células contra os danos provocados pelos radicais livres formados quando estas queimam oxigênio para gerar energia.
As enzimas digestivas presentes nessa fruta, auxiliam a digestão e inibem a constipação, por ser uma boa fonte de fibra.

Por Rodrigo.Argenton - Obra do próprio, CC BY-SA 4.0

O consumo das sementes também é recomendável pois combatem parasitas, desintoxicam o fígado, protegem contra o câncer, melhoram a circulação sanguínea e possuem propriedades antibacterianas e antivirais.
Depois de cortar o mamão pela metade, tire as sementes usando uma colher grande. Elas estão presas em uma substância gelatinosa que pode ser retirada passando-as em água corrente. Elas são um pouco amargas e possuem um sabor levemente apimentado. As sementes podem ser consumidas puras, da forma como foram retiradas do mamão, ou adicionadas a molhos, saladas e sopas. Outra opção é fazer batidas misturando-as com outras frutas. Elas também podem substituir bem a pimenta do reino em qualquer prato. (Fonte: www.melhorcomsaude.com)




* Ácido fólico é a forma de folato fabricada pelo homem.

Esse texto é composto por minhas opiniões pessoais, baseadas em experiência de vida e um certo aprendizado na área como Técnica em Nutrição e Dietética. Para tirar dúvidas sobre alimentação ou dietas, procure um nutricionista.