. . Mania de Organizar e Viver Saudável: Outubro 2010

28/10/2010

Organização de bolsa

Organizador de bolsa fechado.

Sou adepta do menos é mais em termos de bolsa. Normalmente quando compro uma, é porque a outra já está se acabando e uso até quase acabar. Geralmente minha bolsa é preta e grande, porque tem que caber tudo que preciso. De certa forma isso às vezes se torna um problema quando saio com meus companheiros (marido e filha), porque querem que guarde suas coisas  como guarda-chuva, chave, celular, etc. Possuo outras bolsas, inclusive feitas por mim, como uma de reaproveitamento de calça jeans (ficou super bonita) e outras de tecido mais simples. Tenho bolsas de praia, grandes, pra caber tudo necessário para a família e tenho a que levo pra academia. Mas no dia-a-dia, é uma só. Atualmente estou sentindo vontade de comprar uma clarinha para usar no verão que está próximo, vou decidir.
Mas, geralmente em minha bolsa, quando preciso pegar alguma coisa fico meio perdida. Tento encontrar os objetos que preciso com a mão e não olho dentro dela, mas às vezes acabo tendo que olhar.
Nas minhas “andanças” pela Internet, vi que algumas blogueiras prendadas postaram fotos de um objeto que achei super útil: um organizador de bolsas. Resolvi fazer um com as explicações que encontrei aqui. Como o tecido que escolhi era uma sobra pequena (malha estampada e brim), tive que deixar a altura para encaixe dos objetos, um pouco baixa. Acredito que o próximo ficará melhor, pois farei com mais altura e as coisas ficarão mais presas. Mas ficou legal e deu pra colocar quase tudo. É só enrolar e para fechá-lo bem, fiz um anel de elástico (achei mais prático).
Vou contar o que carrego na bolsa e verão nas fotos: caneta, batom, sombra com gloss e lápis de olho, documento do carro e porta moedas no mesmo espaço, lenço de papel e espelhinho, capa de chuva, outro batom, spray de menta para o hálito, álcool em gel e creme hidratante para as mãos. Ficaram de fora a caixinha com os óculos de sol, a escova de cabelos e a carteira de documentos (porque é bem gordinha). Mas as pequenas coisas ficaram concentradas e isso facilitará bastante.

Organizador de bolsa aberto.

Desejo a vocês um ótimo dia. Beijos.

Quel

26/10/2010

Ecologicamente correto II

Em setembro de 2009, nossa máquina de lavar resolveu dar o fora e não compensava mais mandar arrumar. Era uma Baby Mondyal de 6kg que utilizei por muitos anos. Já tinha ficado doentinha algumas vezes, mas dessa vez foi uma doença terminal. Então, chegamos à conclusão de que o melhor era comprar uma nova. Pesquisamos bastante os modelos e escolhemos outra de 6kg (aqui em casa não precisa mais que isso para três pessoas). O legal é que ela tem programa de reutilização da água. Assim, posso reutilizar uma água não muito suja para deixar peças de molho num balde ou no tanque. Posso utilizar também para lavar o banheiro. 

Painel com os programas

Água para ser reutilizada no balde

Água para ser reutilizada no tanque.

Como moro em apartamento, não reaproveito para a área externa, mas se morasse em casa, faria isso, com certeza. Fico feliz em poder colaborar um pouquinho com a preservação de nossos recursos naturais.
Aqui no condomínio ainda não consegui colocar em prática a idéia de recolher a água da chuva para lavar as áreas externas. Mas isso está nos meus planos para o ano que vem, se continuar no cargo de síndica.
Um abraço virtual na(o)s leitora(e)s do meu singelo blog.

“Cerca de dez mil escolhas significativas compõem nossa vida. É através delas que nos expressamos, que registramos nossa marca, que nos reconhecemos e somos reconhecidos.” - desconheço o autor


Quel

25/10/2010

Esqueço, esqueço, esqueço!

Não tem jeito. Esqueço mesmo. Se não anotar na agenda, esqueço.
Durante o dia uma dona de casa precisa tomar muitas decisões. E ainda mais se ela, além de ser dona de casa, for esposa, mãe e síndica do prédio onde mora.
Então, desanuvio minha mente e uso minha agenda para anotar os compromissos, coisas a fazer mesmo em casa, sites a acessar, compras a realizar, etc. E as consultas médicas e exames a fazer, se não anotar, não tenho como lembrar.
Minha memória de tempo recente está super lotada e não consigo mais guardar informações. Agora, se quiser saber algum fato antigo, pode perguntar até o ano (em alguns casos, até a data) que estará na ponta da língua. Sou até meio chata com isso, quando conto algum fato, cito o ano em que aconteceu. Outro dia minha amiga Rose observou isso.
Gosto de agenda de folha inteira para um dia só, porque aí posso anotar tudo o que preciso. Às vezes uso também como diário, para anotar coisas que fiz sem agendamento.
E as despesas, como saber para onde vai o dinheiro? Aqui em casa, eu que pago as contas e faço compras de supermercado, porque meu marido não tem tempo pra fazer essas coisas. Se dependesse de “guardar” essas informações na cabeça, estaria perdida ou falida. Uso a agenda para anotar pequenas despesas pagas em dinheiro somente, porque o que pago com débito automático, tenho os comprovantes.  Utilizo uma planilha feita em Excel para colocar as previsões do que pagarei e um software chamado Money Plus (meu cunhado trouxe pra mim dos States) para controlar as contas pagas. Dá trabalho, mas vale a pena, porque sabemos exatamente onde foi o nosso dinheirinho tão suado.
Resumindo: minha melhor amiga é minha agenda, pois conto quase tudo o que faço para ela.
Beijos. Uma semana vitoriosa para toda(o)s!

Quel

24/10/2010

Organizador de bobinas


Durante a semana, estive no centro da cidade. Quem conhece Santos, sabe que o centro veio decaindo já há alguns anos. Trabalhei em escritórios naquela região durante mais de oito anos e quando vou até lá atualmente, sinto uma dor enorme no coração. Era muito movimentado e o comércio era muito ativo. Agora temos um comércio reduzido em relação ao que era. Apesar da dor no coração, tenho lembranças da minha infância, quando em época de Natal, ainda bem pequena, meus pais levavam a mim e alguns dos meus irmãos para fazermos compras à noite. Como somos em sete, os mais novos não viveram isso, pois aconteceu há mais de quarenta anos. Era uma alegria imensa, ver a cidade toda iluminada e as lojas abertas até altas horas. Observem que estou escrevendo tudo isso em relação ao comércio. Já em relação à parte histórica da cidade, devo dar o braço a torcer, melhorou muito. O centro histórico tem sido restaurado já há alguns anos e ficou lindo.
Bem, mas voltando ao assunto do início, fui ao centro para ver se comprava roupas novas para minha filha que fará uma viagem de formatura (nono ano) ao Sul do país em breve. Nosso almoço foi no Café Carioca, uma espécie de lanchonete antiquíssima e que tem uns pastéis maravilhosos. Em seguida, fomos até a loja Marisa, onde efetuamos nossas compras. Antes de vir embora, entrei na loja da Singer. É muito legal, porque tem quase tudo que quem costura quer ter. Comprei algumas coisinhas e uma delas, achei muito legal, para organizar minhas bobinas que acabavam ficando umas sobre as outras no meu organizador de retroz que mostrei aqui.

Organizador de bobinas
E então, meninas, gostaram da minha mais nova e simples, porém útil aquisição? Eu amei. Agora escolho minhas bobinas e retiro com mais facilidade. Logo esta caixa enche e compro mais uma.
Boa semana para vocês!

Quel

20/10/2010

SÓ + 5 MINUTINHOS!

Essa é a frase que ouço de minha filha várias vezes, quando a acordo. Ela estuda no período da manhã e tem que acordar bem cedo, antes das 6h da manhã. E muitas vezes, depois do almoço, vai pra minha cama e tira um bom cochilo. Resolvi então presenteá-la com uma máscara para olhos para que ela durma e descanse bem. Encontrei o modelo da máscara na Internet, mas era feita em feltro. Como não uso feltro em meus trabalhos ainda, resolvi confeccioná-la com sobras de tecidos.

Passo-a-passo: desenhei o molde no Corel Draw e imprimi. Cortei 2x no tecido e 1x na manta acrílica. Alinhavei as duas partes do tecido, deixando já preso o elástico e costurei. Depois, alinhavei o tecido na manta acrílica e costurei também, não esquecendo de deixar a abertura para poder virar. Tirei os alinhavos e virei (usei um palito para acertar por dentro, esticando). Fechei a parte de cima com pontinhos quase invisíveis. Fiz uma espécie de alinhavo para dar um acabamento, com linha de pesponto, e ficou pronta.
Modo de fazer a máscara para olhos

Aproveitei o embalo e fiz uma para mim também, porque às vezes tiro uma sonequinha durante o dia ou durmo antes do meu marido, mesmo com a luz acesa. Ele tem o hábito de ler seus e-mails após o jantar (o PC dele fica no nosso quarto) e muitas vezes eu já estou mais pra lá do que pra cá e assisto um pouco de TV já na cama. Minha filha também fica junto conosco, normalmente adormece em nossa cama e depois o pai, antes de deitar, a leva para seu quarto. Esses momentos de aconchego em família são preciosos. Às vezes rimos muito com algum e-mail engraçado, alguma cena na TV ou algum assunto que abordamos.
É muito bom aproveitar a presença das pessoas que amamos, hoje, enquanto podemos. O dia de amanhã, não sabemos como será, Deus é quem sabe! Beijos!

Quel

17/10/2010

Novo cabeçalho e plano de fundo

Ganhei de presente da minha amiga Carla Pessoa, esse novo layout (cabeçalho e plano de fundo). Havia encomendado à minha filha, que gosta de ilustrações feitas no Photoshop, mas ela demorou e a Carla me presenteou. Amei o presente. Valeu! Beijos, Carla.

Novo cabeçalho feito pela Carla


Quel

14/10/2010

“Mondrian Dress” – simples e grandioso


No ano de 2007, participei de um retiro de mulheres e numa das noites deveríamos nos vestir com uma roupa no estilo dos anos 60, 70 ou 80. Pesquisei a respeito das roupas dos anos 60, porque não queria simplesmente colocar uma saia godê de bolinhas, uns óculos de gatinha e um laço na cabeça. Foi legal porque descobri muitas outras possibilidades. Descobri por exemplo, a respeito da influência da arte sobre a moda e que talvez tenha sua expressão mais conhecida no vestido inspirado em Mondrian.
Piet Mondrian foi um artista holandês que usava em suas pinturas um vocabulário restrito às linhas verticais e horizontais e às cores puras. Criado por Yves Saint-Laurent em 1965, numa espécie de apropriação-homenagem, o vestido tornou-se um ícone da moda e marca do processo criativo dos anos 60.
Resolvi então fazer uma réplica para mim (o tecido que usei foi o oxford - a sobra do vermelho virou a almofada tipo pneu) e apresentei para a mulherada, mas tive que contar a história do vestido. É só uma fantasia, mas foi muito legal!

“A roupa mais bonita para vestir uma mulher são os braços do homem que ela ama. Para as que não tiveram essa felicidade, eu estou aqui”. Frase atribuída a Yves Saint-Laurent.

Quel

13/10/2010

Aniversário de casamento



Hoje completo 21 anos de casada. Engraçado, mas nem parece que faz todo esse tempo.
Conheci meu esposo no ano de 1985. Fui apresentada a ele na igreja em que frequentava e frequento até hoje. Uma de minhas amigas me apresentou a ele e comentou que se eu quisesse poderia escrever-lhe, pois era marítimo e era sempre bom chegar em algum porto e receber algumas cartinhas. Eu, anteriormente já havia me correspondido com algumas pessoas por cartas, pois sempre gostei de escrever. Então peguei seu endereço para correspondência e acho que lhe passei o meu também. Acontece que nunca nos escrevemos. Naquele momento também não houve nenhum interesse sentimental de ambas as partes. No entanto, ele de vez em quando aparecia na igreja, nos cumprimentávamos e tínhamos um amigo em comum que havia ido morar em sua cidade.
Numa dessas aparições, no dia 1º de abril de 1989, eu o vi a distância e me aproximei para saber notícias de nosso amigo em comum. Começamos então a conversar pela primeira vez. Foi um papo muito longo e no final ele anotou o meu número de telefone. No dia seguinte, ele estaria de serviço, mas conseguiu uma troca para ir à igreja no início da noite. Acontece que quando o culto terminou, eu saí andando rapidamente e fui embora. Ele me viu à distância, mas não teve tempo de me alcançar.
No dia seguinte, no entanto, me telefonou e conversamos por mais de uma hora. Da parte dele já havia surgido um certo interesse naquela garota que havia dito a ele que “às vezes, a gente se sente sozinho no meio de uma multidão”. Essa frase despertou seu interesse. Foi para o Japão e outros países, só retornando a Santos quase quatro meses depois (final de julho).
Durante esse período, pedimos a Deus que nos orientasse sobre um futuro relacionamento (ele havia falado sobre isso antes de sair do Brasil). Entrou num período de três meses de férias e como já tínhamos a certeza de que Deus aprovava nossa união, namoramos, noivamos e nos casamos em dois meses e meio, no dia 13 de outubro de 1989.
Desde então, temos vivido uma vida simples, mas muito feliz. Crescemos como casal e como família. Mas o mais importante para nós desde o início é ter Jesus como Senhor de nossas vidas e de nosso lar. Amo e respeito meu esposo como um presente de Deus na minha vida.
Ele me incentiva a crescer como pessoa, a aprender coisas novas, me elogia, é carinhoso, me ama e se preocupa muito comigo.
Ainda não sei o que faremos para comemorar nossas bodas de zircão (é um tipo de mineral). Talvez prepare um jantar especial ou faça um bolo para comemorar, mas o mais importante é que estaremos juntos curtindo um ao outro.
Bem, contei aqui um pouquinho de nossa história. Tenho muito para contar ainda, mas deixarei para outras oportunidades.
Beijos.

Quel

12/10/2010

Como surgiu o Dia da Criança

Com um ano e meio, aprendendo a nadar

Se quiser saber a história de como surgiu o Dia das Crianças no Brasil, veja aqui

Aqui em casa, o Dia da Criança surgiu no ano de 1996. Quando soube que estava grávida, uma alegria imensa inundou meu coração. Logo eu, que nunca sequer tinha sentido “aquele” desejo de ser mãe. Mas quando tive a certeza (só quando fiz o ultra-som, porque não sentia nada) que havia um serzinho crescendo dentro de mim, fiquei em estado de graça. Minha vida mudou e quando essa criança nasceu então, aí fiquei meio fora de mim. Chorei muito na sala de parto e durante um bom tempo fiquei imaginando que “todos” um dia foram crianças. Cuidei muito bem de minha filha, tinha tantos cuidados com ela e ficava imaginando aquelas crianças que nasciam de qualquer jeito, não eram cuidadas, não eram amadas. Imaginava meu pai, uma pessoa que só vi sofrer com uma doença cruel que é a insuficiência renal e lembrava das histórias de que ficara órfão cedo e havia sofrido muito nas mãos de seu padrasto. Pensava: os moradores de rua um dia foram bebês e como foram tratados? Fiquei muito reflexiva nesse período. Hoje minha filha está na adolescência, mas curti muito o período em que era criança.
O nome que escolhemos significa “alegria” e ela realmente foi uma criança muito alegre, muito feliz. Deus a abençoou com muitos mimos que ganhava das tias, avós, parentes e amigos, e nós adquirimos somente uns poucos perto da quantidade que teve. No entanto, teve muitas bonecas como Barbies, Susies, Loly Pop, Bebê Banhinho, Polys e várias outras. Ganhou também vários bichos de pelúcia da prima do meu marido (tem uma coleção). E joguinhos que ganhou de vizinha, de amiga da mamãe, etc. Mas nós, como pais, a ensinávamos a dividir. Quando vinha alguma criança visitar-nos, queria usar seus brinquedos e víamos que surgia um pouco de ciúmes, nossa fala para ela era: “Filha, você pode brincar com isso todos os dias, então, deixa a(o) amiguinha(o) brincar um pouquinho”. E ela, muito doce, sempre entendia e não ficava triste.
Sempre gostou de aprender e chorava aos três anos por não saber ler. No período em que estava chegando a hora de estudar (aos quatro anos), Deus me abençoou com um trabalho e a coloquei numa escolinha que ela curtiu muito, mas já conhecia todas as letrinhas e falava as sílabas. Lembro que a diretora me disse que só faltava o “clique” de ligar as sílabas mesmo. Isso aconteceu quando tinha cinco aninhos no dia 2 de abril de 2002 e foi a professora do Pré que a pegou lendo um jornal.
Uma coisa que fazíamos todos os anos para a incentivar a dar um pouco do que tinha, era na época do aniversário, dia das crianças e Natal, a convidar para “abrir espaço” no armário. Ficava um pouco resistente, mas acabava fazendo, porque sabia que ganharia mais brinquedos e não teríamos onde guardar.
Fotografei muitos momentos dela “aprontando” e algumas vezes se metia em encrenca e chorava.
Ganhei de presente de 2002 a 2009, um emprego como professora e ela, uma bolsa de estudos. Alguém tem dúvidas de que foi Deus que preparou tudo isso? Eu não!

Para mim, embora tenha tido uma infância pobre quase sem brinquedos (eu e meus irmãos), o Dia das Crianças é um dia de muita alegria, porque celebra a vida.


Subiu sozinha, me viu e gargalhou

Acessando as coisas na cozinha

Tentou subir e não conseguiu sair mais - chorou muito
Não podia ver uma caixa que já sentava dentro, até nas de sapato

Comemore com seus filhos o dia de hoje, porque logo eles deixam de ser crianças. Fotografe bastante e curta muito mesmo, porque o tempo passa muito rápido. Beijos.

Quel

09/10/2010

Parabéns pro meu blog!

Bolo de toalha
Um mês na Net

Ontem meu blog completou 1 mês de vida na rede mundial de computadores, por isso posto aqui a foto do primeiro bolo de toalha que fiz. Usei um prato de plástico de um bolo comprado pronto, que estava guardado e duas toalhinhas dessas de mão. A renda é de uma cortina desmontada, as florzinhas fiz com fita de cetim e os morangos são de verdade (coloquei um plástico entre a toalha e os morangos para não manchá-las). Gostei e pretendo fazer outros. O legal é poder usá-los em algum evento para enfeitar a mesa e depois desmontá-los para usar tudo em outra oportunidade.
Quanto ao blog, já tive muitas visitas do Brasil, Estados Unidos, Canadá e Portugal. Estou amando a idéia de compartilhar minhas idéias com meus leitores. Sempre gostei de escrever (tinha até o sonho de escrever um livro rsrsrs) e agora tenho esta oportunidade. Montei o blog incentivada pela minha irmã Denise, porque nos "teclamos" sempre pelo Skype e eu mando minhas criações pra ela ver. Então resolvi aceitar o conselho. E foi legal, porque isso me incentivou  a pesquisar mais idéias em revistas, jornais e internet e a criar coisas novas para decorar meu lar. Sejam bem-vindos. Podem ler ou espiar à vontade.

Quel

07/10/2010

Notebook personalizado


Como era o note

Comecei a pesquisar a respeito de adesivos porque vi alguns bem bonitos. Queria fazer uma adesivagem na parede da minha sala, atrás do sofá, mas por enquanto é muita ousadia. Quem sabe mais pra frente? Pesquisei bastante e encontrei idéias super interessantes. Daí fiquei com vontade de fazer um adesivo de girafa ou pingüim para minha geladeira, mas tenho que conversar com o marido, mostrar algumas fotos e isso ainda vai levar tempo. Então pensei: posso adesivar algo meu, sem ter que perguntar nada pra ninguém, criar algo que realmente me sinta à vontade. Algo que marido e filha não questionem: por que não perguntou antes? Em que posso fazer isso? Hã? Claro, no meu notebook, seguindo o conselho da Lúcia Klein. Ele é realmente só meu. É meeeeeeu! Então, é ele que receberá o adesivo. Como ele é branco, achei que o adesivo preto ficaria bom também, como o da Lúcia. Comprei 1m do papel contact preto, que custou R$ 4,15. Sei que 1m é muito, mas ainda vou fazer muita coisa, com certeza, ou até preparar adesivos para dar de presentes, quem sabe? Então pensei: quero algo realmente pessoal, algo que me represente.
 
Foto que usei para criar o adesivo

 Abri o Photopaint e o Corel Draw. Pensei em colocar um R grande e escolhi a fonte True Type Gorilla BT no corpo 285. Em seguida achei que seria bom ter uma foto minha. Mas como colocar uma foto se o adesivo é preto? Já sei! Poderia ser uma foto de perfil e eu colocaria tudo em preto. E então, em que  mais penso e faço pausa para  isso quando estou usando meu note? Claro, tomar um cafezinho. Peguei nos símbolos do Corel uma nuvem e uma xícara. Imprimi como espelho, porque cortaria no lado avesso do contact.
Havia também um coração, mas a outra artista aqui de casa, minha filha, falou que era desnecessário e esse conselho eu aceitei. Ela até tentou dar mais um pitaco, dizendo pra eu tirar o R, mas eu queria o R, então, ele ficou. O coração foi parar na mesinha que tenho para usar o note na cama com mais um que cortei, à frente de dois parafusos. Então, na verdade já foram duas adesivagens logo de cara.
Bem, fiquei satisfeita com a minha produção. Agora já posso mostrar pra galera aqui de casa e quem sabe eu tenho sinal verde pra adesivar a geladeira, a máquina de lavar, as paredes, etc.
      
Transferindo os moldes para o papel contact

 
Colando aos poucos com o dedo para não ficar com bolhas de ar

Como ficou o note adesivado


Mesinha do note com os corações

Quel

05/10/2010

Almofadas

Outro dia, navegando pelos blogs da net, encontrei uma almofada que achei bem interessante. É uma almofada tipo pneu. E sabe que parece mesmo um pneu? Vi vários modelos e resolvi fazer a minha (veja o vídeo aqui ou veja instruções aqui). Quis fazer em vermelho para já aproveitar na decoração de Natal. Mas meu tecido (Oxford) era pequeno (precisava ter uma largura de 1,40m), tinha só 1m x 50 cm. Não me intimidei por isso e fiz uma almofada menor, mas tão linda quanto as grandes. Depois farei uma maior. Fiz ontem e foram várias horas de trabalho, mas amei o resultado. A flor, veio num arranjo de uma festa de 15 anos da qual minha filha participou. Depois vou colocar um botão forrado.

Almofada tipo pneu

Hoje pela manhã, acordei pensando: o que farei hoje? E navegando novamente encontrei uma outra almofada que achei mais simples, mas bem interessante também. Era uma almofada de camisa. Lembrei que meu marido havia separado algumas porque estavam com o punho meio puído. Achei legal, porque aproveitaria os botões (ainda acho difícil colocar zíper) como abertura. Cortei e costurei, mas deixei com o bolso pra dar um charme.

Almofada feita com camisa

Quel

04/10/2010

Organizador de retroz de linha

Em 2006 fiz aulas de corte-e-costura porque sempre me interessei pelo assunto. Infelizmente no início do ano seguinte minha professora faleceu e depois disso, durante um tempo, perdi o interesse pelo assunto. Desanimei. Passei a costurar somente de acordo com a necessidade:  barra de calça jeans, acerto de cortina, pequenos reparos, etc. Ultimamente porém, voltei a me animar e tenho costurado pequenos objetos. No ano em que fiz as aulas, adquiri um estojo organizador para os retrozes de linhas que comprei, mas ele só acomodava 25 unidades, por isso, acabou não sendo suficiente. Apesar disso, achei muito legal porque dava pra guardar outros objetos. Recentemente então adquiri um outro organizador maior e passei os objetos para ele, deixando o primeiro somente para os retrozes. Acontece que os pinos para colocá-los eram poucos, então encontrei uma solução para não deixá-los simplesmente jogados lá dentro. Aproveitei uma bandeja de isopor (dessas que vem com alimentos) e alguns palitos de churrasco (usados nos palitos de jujuba, lavados e bem secos). Medi o espaço que sobrava, cortei o isopor, cortei pedaços dos palitos e os distribuí, furando e colando em pé. Agora posso adquirir mais um monte de cores de linhas, porque terei onde guardar. As linhas de pesponto, ficaram organizadas do lado esquerdo e ficou mais fácil pegar a que precisar usar. Guardo também aí minhas agulhas, que foram colocadas dentro de uma mini-maleta (era brinquedo da minha filha).

Organizador de material de costura



Isopor e palitos cortados



 

Palitos fincados e colados -  retrozes organizados




Organizador de agulhas


Organizador maior para pequenos objetos

Mantendo tudo organizado, fica mais fácil utilizar o que vier a precisar.


Quel

Eco-utensílio: Puxa-saco

Que tal reaproveitar uma garrafa pet e filtros de café usados para organizar suas sacolas?
Esse é o meu puxa-saco (aquele depósito de sacolas de supermercado). Foi minha filha que fez pra mim na escola, quando estava no 4.º ano.
Não tem segredo: garrafa plástica, filtros de café usados, cola, tesoura, pincel, verniz e um pedaço de barbante. Deixar secar bem os filtros e tirar todo o pó. Cortar o gargalo da garrafa (use pra fechar saquinhos, veja aqui) e o fundo (deixando uma altura de uns 4 cm). Forrar a garrafa e o fundo colando os filtros de café. Depois de bem seco, envernizar. Fazer dois furos para passar o barbante com o qual o puxa-saco será pendurado (a 1 cm da borda do corpo e 1cm da borda do fundo). A montagem você vê na foto. Uso esse objeto a uns 4 anos e além de colaborar com o planeta e com o meu bolso, também tem pra mim um grande valor sentimental.

Quel